quarta-feira, 8 de março de 2017

Estudantes criam campanha nas redes sociais para encontrar doador de medula

Após conhecer a história de Artur Medeiros, 14 anos, que sofre de Aplasia Medular e precisa de transplante de medula óssea, os educandos do 3º ano do Ensino Médio do NIP decidiram abraçar a causa e lançar uma campanha para encontrar um doador compatível.


Foto: Internet
Artur Medeiros Santana Barbosa, 14 anos, natural da cidade de Flores, no sertão de Pernambuco, luta contra uma doença no sangue e precisa de um doador de medula óssea compatível. Diagnosticado, recentemente, com aplasia medular ele está internado no Hospital Real Português, no centro do Recife, e depende de transfusões de plaquetas para sobreviver, no entanto, para se curar é preciso fazer o transplante.

Nas redes sociais, os educandos do terceiro ano do NIP começaram a campanha em prol da vida de Artur. “Não da pra deixar de notar o espírito incrível e a força com que ele e a Rafaella (mãe do Artur) estão lidando com a situação. São um exemplo de positividade e luta pra todos nós, por isso #SomosTodosArtur.” afirmou Yohann Bittencourt. Para participar da campanha basta clicar AQUI.

Alunos do 3º Ano do NIP em visita ao Hospital Português
A mobilização é muito importante, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), as chances de um indivíduo encontrar um doador ideal entre irmãos (mesmo pai e mesma mãe) é de 25%. Apesar disso, ninguém da família de Arthur é um doador viável. A chance de encontrar uma medula compatível é, em média, de 1 em 100 mil.
Para ajudar o Artur é simples, você precisa procurar o Hemope mais próximo e dizer que quer ser doador de medula, faz o teste de compatibilidade, fornece sua identificação e endereço para serem colocados no banco de dados com o resultado de seu exame e pronto.


Homenagem


Rafaella Medeiros conversando com os Educandos do NIP
Além da campanha, os educandos decidiram aproveitar a data do Dia Internacional da Mulher, para prestar uma homenagem a Rafaella Medeiros, mãe do Artur, por toda a sua força e garra, já que pela segunda vez essa história acontece na vida dela. Há nove anos, o filho mais velho da família descobriu a mesma doença e morreu aos 11 anos de idade. Para ela, descobrir a reincidência da doença foi um baque. “Eu não esperava que fosse acontecer novamente. Fiquei sem chão e meu mundo desabou. Por mais que a gente não queira, a gente volta ao passado e teme que as mesmas coisas aconteçam. Estamos mais fortes para encarar essa caminhada, que é longa, mas temos muita fé que venceremos”, disse.


Após a homenagem, um momento de oração pela recuperação de Artur
Foto: Internet










segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Nota de Esclarecimento à População de Arcoverde



A Associação de Blogueiros de Arcoverde e a Coordenadoria Regional do Moxotó da Associação Pernambucana de Blogueiros - ABLOGPE vem prestar esclarecimento à população arcoverdense sobre as acusações proferidas pelo Vereador Wevertton Barros de Siqueira (PSB-PE), na noite desta segunda-feira, 20 de fevereiro.

O Ilustríssimo Vereador acusou a Imprensa local de divulgar denúncia do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) em desfavor do seu pai e ex-presidente da Câmara de Vereadores do município, Miguel Leite de Siqueira, o Sargento Siqueira, por apropriação e desvio de dinheiro público, e de ocultar nota LIDA por ele, no último dia 15 de fevereiro, em plenário com esclarecimentos sobre o caso.
Informamos que nenhum blog ou site recebeu a referia nota, da assessoria do vereador, para que fosse publicada. Já a matéria em que o MPPE acusa o Sargento Siqueira de desvio de dinheiro público está disponível no site do órgão, como imagem abaixo, disponível ao público.



Cabe então uma aula básica de como ter sua Nota divulgada em blogs, sites e jornais: Encaminhe via e-mail como Sugestão de Pauta ou resposta a uma publicação, nem precisa de uma Assessoria de Imprensa para isso.

Gostaríamos de informar também que o fato de ser da situação ou da oposição não dá nenhum privilégio ao nobre vereador, visto que o papel da Imprensa Arcoverdense é de informar e fiscalizar. E se acompanhamos a agenda da Prefeitura, é graças ao trabalho da Secretaria de Comunicação e da Assessoria de Imprensa que repassa diariamente, via e-mail, sugestões de pauta.

Atenciosamente,

AMANNDA DO AMARAL OLIVEIRA
COORDENADORA DO MOXOTÓ
BLOG FALANDO FRANCAMENTE

SAULO BRITO
E TENHO DITO

JULIANO CÉZAR
BLOG DO JULIANO CÉSAR

ORLANDO E MARLUCE LIMEIRA
BLOG ARCOVERDE E CIA

ANDRÉ SANTOS
SITE VIP SHOW

MAURÍLIO DA SILVA
SITE XIS CLUB

HOZANA ARAÚJO
BLOG ARCOVERDE REPÓRTER

ANNELISE QUIRINO
BLOG ANNELISE QUIRINO

AMANNDA TALITA
BLOG ITBEE

ADAUTO NILLO
BLOG GIRO SOCIAL

JORNAL PORTAL DO SERTÃO

CHRISTIANO MARCUS
TV ECO SURPREENDENTE

FÁBIO SANTOS
BLOG NOTÍCIAS DOS MUNICÍPIOS

PAULO CEZAR CAVALCANTI
BLOG DO PC CAVALCANTI

TULLYO CAVALCANTI
BLOG DO TULLYO CAVALCANTI

MIHH VALÉRIO
INFLUENCER DIGITAL

ZALXIJOANE LINS
DE PRIMEIRA CATEGORIA

ILLA JORDANA
BLOG CHEIA DE DESEJOS

sábado, 3 de dezembro de 2016

Carta aos pais de um filho gay

Eu só peço 5 minutinho da atenção de vocês

Ruth Manus


Um dia encontrei uma amiga da minha mãe chorando de forma tão desesperada que tive certeza que um de seus filhos havia morrido. Meu coração foi à boca. Sabendo que todos estavam vivos, comecei a perguntar-me qual deles teria descoberto que sofria de uma grave doença. Nenhum. O choro da mãe era porque um dos filhos tinha revelado ser homossexual naquela manhã.


Eu não vou dizer que vocês, pais de filhos gays, não tenham razão para se preocupar. Têm sim. Todos os pais têm. Preocupar-se é a mais natural das características dos pais. Preocupam-se com a nossa alimentação, com os nossos agasalhos, com nossos estudos e, sobretudo com a forma como as pessoas que povoarão nosso caminho nos tratarão. E, sim, nesse ponto eu entendo a preocupação dos pais de um filho gay. Porque tem muito imbecil por aí. Mas o mais importante é que os primeiros imbecis desse caminho não sejam os próprios pais dessa pessoa.


Não escrevo este texto para os pais que acham que ser gay é uma ofensa a Deus, uma vergonha, uma aberração ou uma simples opção de um filho. Neste nível de ignorância eu acredito que seja inútil tentar penetrar. Escrevo esta carta, de coração, aos pais que não sabem bem como agir. Aos que teoricamente aceitam-nos, ou pelo menos pensam aceitar. Escrevo também aos pais que suspeitam ter um filho homossexual e não sabem por onde ir. Escrevo aos bons pais, que se esforçam para apoiá-los e que estão dispostos a fazer o melhor que podem.

O fato é que existem muitas léguas de distância entre o ato de aceitar e o ato de acolher. Entre a mera tolerância e a necessária compreensão. Entre o mero olhar sem censura e o tão esperado abraço que diz “eu te aceito, te acolho, te amo e me orgulho de você, independentemente de qualquer coisa”. Aceitar não é tudo. É só um primeiro passo.

Lembro-me bem da madrugada na qual um namorado terminou um relacionamento de 7 anos comigo. Destruída, fechei a porta para ele ir embora pela última vez e corri para o quarto dos meus pais, às 3 da manhã. Eu sabia que não estava sozinha e que a minha dor seria suportada por eles. Eu sabia ter rede. Já um amigo, gay, quando sofreu a mesma dor, foi chorar no banho. Saiu do banho olhando para baixo, fechou-se no quarto, esperando que seus pais- que aceitam sua homossexualidade- não perguntassem nada. Porque eles nem sabiam que ele vivia um relacionamento estável que já durava cerca de 3 anos.


A questão é: até quando tantos pais esconderão a poeira debaixo do tapete? “Seja gay, a gente tolera, mas saiba que nunca trataremos isso com naturalidade”. Esse é o discurso que ninguém diz e que segue velado em tantas famílias. É preciso abrir este caminho, mostrar aos seus filhos que vocês se interessam pela vida afetiva deles tanto quanto se interessariam pela de um filho hétero. É preciso sair da zona de conforto, que foca as conversas no trabalho, no dinheiro e nas amenidades, buscando fugir de tudo o que diz respeito à homossexualidade em si.

Não tenha medo de perguntar quais são os lugares que ele frequenta. Nem com quem ele vai, nem qual música toca. A vida de um gay não é mais nem menos promíscua que a de um hétero. Não é a orientação sexual que determina se a pessoa vai dormir com uma pessoa a vida inteira ou com 3 na mesma semana. Isso não tem nada a ver com ser gay ou não. Tenho amigos gays super caretas e amigas solteiras super liberais. Ninguém é melhor nem pior por isso. Livrem-se destes dogmas.

Participe da vida do seu filho gay. Pergunte sobre seus sonhos. Se ele quer casar, se vai querer festa, se vai querer um buquê, seja ele homem ou mulher. Pergunte se ele sonha com filhos. Se vai querer adotar, se pensa em inseminação ou numa barriga de aluguel. Pergunte se ele gosta daquelas camisas brancas que você compra para ele ou se preferia que elas fossem floridas. Pergunte à sua filha se ela se protege no sexo, ainda que saiba que o tipo de relação que ela mantém não resulta em gravidez. Mostre que você se importa e que o espaço de diálogo entre vocês pode ser cada vez maior.


Mostre ao seu filho que ele é muito mais importante do que seus amigos conservadores. Mostre que você está disposto a abrir mão destes seus “amigos” que ficam escandalizados com a homossexualidade, em respeito a ele. Mostre que este tipo de gente não te interessa mais, porque quem julga que seu filho não é bom o bastante por amar pessoas do mesmo sexo, merece todo o seu desprezo.

Faça com que eles percebam que, por você, tudo bem se a Tia Loló ficar chocada com o fato do sobrinho neto ser gay. Tia Loló deu sorte de estar viva em 2016 e ela precisa conviver com isso. Mostre ao seu filho que você não está mais preocupado em poupar a Tia Loló, o Tio Tonico, a prima Rosângela e seus trigêmeos, do que em fazer com que ele se sinta bem e livre na festa de família pela primeira vez. Quando a Tia Loló perguntar “como vão as namoradinhas do Rafael?” responda tranquilamente “é namoradinho, Tia Loló, ele se chama Mateus, é engenheiro, um rapaz ótimo.”. Se a Tia Loló engasgar com o amendoim, bata nas costas dela. Mas não bata no ego do seu filho, trancafiando-o num eterno armário de vidro.

Você nunca deixou seu filho chorar sozinho quando era criança. Você nunca se envergonhou do nariz escorrendo, nem da roupa suja no fim do dia. Você sempre se orgulhou daquela criança e dizia para quem quisesse ouvir “Sim! É meu filho!”. Por que isso haveria de mudar agora? Quais os olhares que passaram a ser mais importantes do que os olhares de amor dele para você e de você para ele? A quem você confere a legitimidade de julgar o seu filho a ponto de te tornar omisso na vida dele? A quem você se rende para não abraçá-lo da forma mais sincera e entregue?

Já é hora, mãe. Já é hora, pai. Acolham seus filhos de forma integral antes que seja tarde demais. Não compactuem com mais choro no banho, mais segredos, mais mentiras. Não abram mão de ouvir histórias boas, histórias alegres, histórias de amor. Nem abram mão da convivência com seus novos genros e noras.


Acima de tudo, não permitam que a noção de “amor incondicional” torne-se uma farsa na relação de vocês. Mostre ao seu filho todo dia que seu amor por ele é infinitamente maior do que a miséria humana que julga, aponta e condena determinadas formas de amar. Mostre ao seu filho que o mundo pode virar-se contra ele, mas que seus braços serão sempre um lugar seguro onde ele é bem-vindo por ser exatamente quem ele é.


Fonte: Estadão

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Doenças de verão: cuidados para proteger o seu pet

Veterinário explica os principais problemas de saúde que acometem os cães durante a estação mais quente do ano e como prevení-los



O verão brasileiro começa no próximo dia 21 de dezembro, e com a chegada da estação mais quente do ano, nada mais agradável que passar momentos de descontração com o animal de companhia. Mesmo com o clima favorável, é necessário ter cautela com os possíveis problemas relacionados ao período, como doenças e parasitas. A cinomose, parvovirose e leptospirose são algumas das doenças mais frequentes nessa época e são disseminadas entre os animais por meio do contato direto.

Segundo Leonardo Brandão, doutor em medicina veterinária e gerente de produto da Merial Saúde Animal, a leptospirose, por ser uma zoonose, é uma das enfermidades que apresenta maior preocupação, pois pode acometer cães e seres humanos.“A doença é transmitida principalmente por ratos e põe em risco pessoas e bichos que vivem em áreas em que se tem contato com esses roedores, mesmo áreas urbanas”, explica.

Água e alimentos podem ser contaminados por meio da urina do rato. Desta forma, os cães ficam vulneráveis ao contágio ao passearem pelas ruas e parques, pois a penetração da bactéria ocorre por meio das mucosas (olhos, narinas, boca) em contato com a água contaminada. “Em alguns casos, os cães apresentam sintomas brandos, que não são facilmente diagnosticados, desta forma podem eliminar a bactéria pela urina por muitos meses, isto se torna um grande risco para as pessoas que convivem ou tenham algum contato com esses animais”, alerta o especialista.

Cinomose e Parvovirose


Outra doença que merece atenção é a cinomose. Contagiosa, atinge o sistema nervoso dos cães e pode provocar a morte. De acordo com a Sociedade Mundial de Proteção Animal (WSPA), enquanto a doença está praticamente erradicada em países desenvolvidos, no Brasil apenas um em cada cinco cães é vacinado.

A transmissão é feita entre os animais doentes por meio das secreções nasais, urina ou fezes dos cães acometidos. “Para identificar a doença, os sintomas iniciais são de uma gripe comum, tosse, espirros e pode evoluir para diarreia branda. Os sintomas graves, que ocorrem no último estágio, podem evoluir para convulsões, dificuldade na alimentação e na movimentação. Poucos animais resistem e os que conseguem sobreviver podem ficar com sequelas graves”, esclarece Brandão.

A parvovirose também é uma virose extremamente perigosa. Esta doença é conhecida por sua gravidade e elevada mortalidade, principalmente em filhotes, por conta do quadro de vômitos e diarreia. O contagio do vírus acontece pelo contato de cães com as fezes de animais doentes. O agente infeccioso da parvovirose apresenta resistência no ambiente e pode sobreviver por muitos meses.

Os primeiros sintomas são prostração, vômito e diarreia com sangue. “Em casos de animais que permaneceram doentes em um determinado ambiente, recomenda-se a limpeza e desinfecção do local com produtos contendo hipoclorito de sódio ou amônia quaternária, de modo a eliminar a presença do vírus”, aconselha o veterinário.

Prevenção


“É importante lembrar que essas são doenças graves mas que podem ser prevenidas por meio da vacinação. Desta forma, antes sair com o animal para viagens ou passeios é importante que a carteira de vacinação esteja em dia. Se as doses estiverem atrasadas é recomendado vacinar o animal – adulto com pelo menos sete dias de antecedência – pois a imunidade leva alguns dias para ser desenvolvida.

No caso de filhotes é necessária a finalização do protocolo de vacinação inicial composta por pelo menos três doses,” ressalta o dr. Leonardo. Vale lembrar que um médico veterinário é o único profissional capacitado para realizar a vacinação dos animais. Levando seu animal em um profissional ele poderá fazer o exame completo e assim determinar se ele está em condições de receber as vacinas, ou ainda, qual o produto mais indicado para cada caso.

Quando o animal já estiver infectado por alguma doença causada por vírus, o tratamento vai combater as infecções secundárias e a manutenção de um bom estado nutricional. “O objetivo é melhorar as condições do animal por meio de tratamento sintomático e de suporte, uma vez que não há um tratamento específico. O ideal é oferecer condições para que ele se recupere naturalmente”, acrescenta o especialista.



Fonte: PetMag

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Deu no New York Times: "CONSIDERE A MONARQUIA, AMÉRICA"




Enquanto cresce exponencialmente o movimento monarquista no Brasil, com cada vez mais adeptos e visibilidade tanto da causa quanto dos Príncipes da Casa Imperial do Brasil na imprensa nacional e internacional, como uma alternativa à decrépita República Presidencialista, por mais incrível que pareça, no The New York Times, um dos maiores jornais de circulação dos Estados Unidos da América e referência jornalística mundial, diante do quadro eleitoral dos norte-americanos, foi publicado no último dia 6, o artigo de opinião intitulado "Consider a Monarchy, America", de autoria de Nicolai Tolstoy, Chanceler da International Monarchist League, historiador e novelista:
"Southmoor, Inglaterra - Como estrangeiro com dupla cidadania, britânica e russa, não me cabe comentar em profundidade os méritos dos candidatos rivais à presidência dos Estados Unidos. Parece-me, porém, incontroverso dizer que nenhum dos dois se assemelha a um Washington ou um Lincoln, e que a presidência eletiva está passando por um exame cada vez mais crítico.
Que o seu chefe de Estado deva ser eleito pelo povo é, imagino, a visão inata de quase todos os cidadãos norte-americanos. Mas, nesta hora de inquietação, eles podem muito bem se perguntar se, em que pese toda a sabedoria dos Founding Fathers, seu sistema republicano de governo os está realmente levando à prometida “união mais perfeita”.
Afinal, basta que os nossos primos americanos dirijam o olhar ao seu vizinho do norte para verem, no satisfeito Canadá, uma nação que tem como chefe de Estado um monarca hereditário. Este simples exemplo demonstra que a democracia é perfeitamente compatível com a monarquia constitucional.
De fato, a história moderna da Europa mostrou que os países que têm a sorte de desfrutar de um rei ou rainha como chefe de Estado tendem a ser mais estáveis e mais bem governados do que a maioria dos estados republicanos do continente. Da mesma forma, os ditadores demagógicos têm se mostrado inflexivelmente hostis à monarquia porque a instituição, perigosamente venerada, representa uma alternativa às suas ambições.
Refletindo em 1945 sobre os fatores que levaram à ascensão da Alemanha nazista, Winston Churchill escreveu: “Esta guerra nunca teria acontecido se não tivéssemos expulsado - sob pressão americana e modernizadora - os Habsburgos da Áustria e da Hungria, e os Hohenzollern da Alemanha.”
“Ao criar tais vácuos”, continuou, “abrimos o flanco para o monstro hitleriano rastejar do seu esgoto até os tronos vazios”.
Para ser justo com relação à influência "americana e modernizadora", uma consideração semelhante levou o presidente Harry S. Truman e o general Douglas MacArthur a preservarem a monarquia japonesa no final da Segunda Guerra Mundial. Esta sábia política permitiu a notável e rápida evolução do Japão para tornar-se a próspera e pacífica sociedade democrática que tem sido desde então.
Sem dúvida, republicanos entrincheirados responderão que governantes hereditários podem revelar-se loucos ou maus. Porém, as democracias também têm dinastias. Os EUA podem ter se livrado do jugo do rei George III, mas os americanos escolheram ser governados por George Bush II. É salutar lembrar que George III, quando lúcido, perdeu as colônias americanas, mas quando ficou louco governou uma Grã-Bretanha que triunfou sobre os exércitos do [eleito] Imperador Napoleão.
Os autores da Constituição [norte-americana] eram, sem dúvida, homens de preeminente julgamento e intelecto. Mas não gozavam de um monopólio de tais qualidades. Do outro lado do Atlântico, pensadores igualmente elevados argumentavam que uma monarquia era inerentemente mais estável do que uma república.
Nenhum estadista britânico apoiou mais a causa dos colonos do que Edmund Burke, mas nenhum foi mais eloquente do que ele em defesa dos benefícios da monarquia britânica.
“O povo da Inglaterra sabe muito bem", escreveu ele, que a ideia de legado fornece um princípio seguro de conservação e um princípio seguro de transmissão, sem excluir de modo algum um princípio de melhoria”.
Em outras palavras, uma monarquia dá a uma ordem política um elemento vital de continuidade que permite uma reforma gradual. Desta forma, o Estado de Direito é garantido pelo respeito à autoridade, como Dr. Johnson aconselhou a Boswell: “Agora, senhor, este respeito pela autoridade é muito mais facilmente concedido a um homem cujo pai o possui do que a um principiante, e assim a sociedade é mais facilmente escorada”.
Seu contemporâneo, o historiador Edward Gibbon, ponderou os sistemas rivais e pronunciou-se com característica acidez a favor de um soberano hereditário. “Podemos facilmente inventar formas imaginárias de governo nas quais o cetro seria constantemente concedido aos mais dignos pelo livre e incorrupto sufrágio de toda a comunidade”, escreveu, mas “a experiência desmente essas balelas”.
A vantagem da monarquia é que a instituição “extingue veleidades facciosas” elevando-se acima do partidarismo tóxico de partidos concorrentes e de eleitos rivais. Gibbon conclui: “Devemos à sucessão pacífica e a administração moderada das monarquias europeias ao fato de que esta ideia se encontra firmemente estabelecida”.
Lembre-se de que nenhum monarca britânico foi assassinado durante cerca de cinco séculos, enquanto quatro presidentes americanos o foram nos últimos 150 anos. Um fator a ponderar, sugiro.
A opinião de Gibbon hoje permanece verdadeira. A muitos britânicos, por exemplo, agradaria ver aumentadas as prerrogativas reais em certos campos, como a distribuição de títulos e assentos na casa alta do Parlamento. O crescente uso venal de tais honras pelo apadrinhamento do primeiro ministro levou a pedidos para que a Rainha restabeleça a integridade do governo reassumindo autoridade sobre o sistema.
O estadista francês do início do século XX Georges Clemenceau ressaltou uma vez que “há duas coisas no mundo para as quais eu jamais vi qualquer uso: a próstata e o presidente da república”. Ao contemplar a escolha que têm diante de si esta semana, muitos americanos talvez compartilhem algo desse sentimento. Há uma alternativa."

- Tradução de José Aloísio Schelini



segunda-feira, 23 de maio de 2016

O pior dos preconceitos: o da família!

Acredito que todos nós, homossexuais ou não, assumidos ou não, já sentimos pelo menos uma pontinha de preconceito em alguém que faz parte da família. E isso não precisa ser bem claro e explícito, pode muito bem estar mascarado em um comentário como “Aquela bichinha…” ou “Aquela sapatão…”, basta que ele seja dito com certo ar de repulsa, aversão, raiva ou preconceito puro e simples. E é assim que sempre acontece, sempre existe alguém pra dizer que é errado, que não deve ser vivido, que Deus não aceita…

Uma das coisas que me intriga muito, e que eu vejo acontecer repetidamente, é o respeito e aceitação em relação a pessoas gays que não façam parte da família, coexistindo com um preconceito enorme contra gays que sejam da família. Assim, a pessoa trata seus amigos gays numa boa, há respeito se o vizinho, um conhecido ou amigo do trabalho for gay, mas se “isso” acontecer dentro do seu núcleo familiar a coisa toma outro rumo. Eu, com o meu pequeno conhecimento sobre o mundo e suas relações interpessoais acredito que isso só pode ser gerado por um padrão social no qual a homossexualidade ainda não é bem vista. Desse modo, as pessoas não aceitam que um filho ou sobrinho seja homossexual porque acreditam que certamente a sociedade passará a olhá-las de uma maneira diferente, como se sua família tivesse sido acometida por um grande mal que, quem sabe, pode até ser contagioso.

São mães que nunca permitirão que o filho seja feliz porque a vizinha não pode, de modo algum, saber que ele é gay e “as pessoas irão falar”; são irmãs e irmãos que acreditam que todas as pessoas acharão que eles também são gays; são avós pensando que você nunca poderá escapar “se perder no mundo”. Enfim, são pessoas que não querem ser excluídas da sociedade na qual vivem, que não querem nada de “errado” com sua família e que têm como objetivo principal criar uma família perfeita nos moldes tradicionais.

Além disso, em várias famílias a não aceitação e a falta de respeito são direcionados a todo e qualquer tipo de diferença. Ai se encontram as pessoas verdadeiramente preconceituosas e, em alguns casos, homofóbicas. O preconceito contra homossexuais é um dos mais enraizados na nossa sociedade porque, na grande maioria das vezes, ele vem de berço, junto com a educação ou com a falta dela. Ninguém nasce preconceituoso, a discriminação não está na nossa bagagem genética, ela foi ensinada há muitos de nós e enfatizada durante toda a vida. Quem aqui, durante a infância, nunca ouviu, durante uma brincadeira qualquer, alguém dizer que “menina não faz isso” ou “que menino não faz aquilo”? Que não cresceu ouvindo sobre o marido ou a esposa que teríamos em uma belíssima e feliz relação heterossexual? É com esse e outros artifícios que a sociedade nos molda como pessoas que nasceram para ser heterossexuais (e nunca homossexuais) porque, de certo, nossos pais nunca pensaram que poderíamos ser diferentes disso.

É por isso tudo que vários pais resolvem nunca aceitar a orientação sexual de seus filhos. É por isso também que muitos deles demonstram reações negativas, ofensivas e até violentas quando descobrem sobre a sexualidade dos filhos. E aqui eu digo que esse é o pior dos preconceitos porque vêm da família que deveria proteger, apoiar, dar colo, carinho e amor. Esses fatores fazem com que se assumir na família possa ser até mais difícil do que se assumir perante amigos e sociedade, já que pode causar uma perda da convivência (quase) harmônica que existia. Pais e filhos sofrem, brigam, se insultam e alguns acabam por adoecer psicológica e fisicamente. Os pais, então, buscam uma explicação para a homossexualidade dos filhos e, não raro, vão atrás de uma possível cura ou aconselhamento nas igrejas, já que a sociedade também prega que a vida de um homossexual será sempre regada a bebidas, drogas e promiscuidade.

Há uma coisa que a sociedade em geral precisa compreender: eles não conseguirão mudar a orientação sexual de ninguém. No máximo farão a pessoa acreditar que é melhor que ela seja assexuada ou infeliz a ser homossexual, ou seja, que ela nunca se relacione com ninguém ou que não mantenha relacionamentos nos quais não será feliz. Imagino que muitas pessoas acreditam que esse seja um preço a se pagar para ser devidamente aceito e amado.

Nós precisamos de educação, incluindo aí uma educação que entenderá a homossexualidade como um tipo de expressão da sexualidade. Esse seria apenas um dos passos para melhorar o conceito que muitas pessoas nutrem sobre homossexualidade.


Lembre-se sempre que nenhuma família é maravilhosa e perfeita, que os pais nem sempre aceitam seus filhos como são, independente de eles serem ou não homossexuais. Sempre haverá cobrança, briga e discussão.




Fonte: Sapatômica

quinta-feira, 12 de maio de 2016

Orações para Bobby - Um Filme que Muitas Mães Deveriam Assistir



O filme Orações Para Bobby narra a história real de Mary Griffith, vivida por Sigourney Weaver. A mãe presbiteriana que se arrepende de tentar curar o filho homossexual que se mata depois de não aguentar tamanha pressão. O filme estreou na TV americana em 2009, na noite anterior ao Oscar e mudou paradigmas. A história se passou nos anos 80 em Walnut Creek, Califórnia, próximo a São Francisco. Em 27 de agosto de 1983, Bobby Griffith tirou sua vida ao pular de um viaduto sobre uma autoestrada, aos 20 anos, em Portland, Oregon para onde se mudou. O filme e o livro são bem fiéis a história real. Bobby é retratado moreno no filme mas era loiro na vida real. Ele também tinha um corpo mais atlético.

Por quase quatro anos ele sofreu pressão de sua família para deixar sua homossexualidade. Sua mãe, religiosa fervorosa, não admitia a homossexualidade do filho, ao qual denominava de doença, ou aberração, e contra qual usava a Bíblia para respaldar seus preconceitos. 

Os questionamentos de Bobby a Deus, suas frases de auto rejeição baseados nos ensinamentos que recebeu, deixados em um diário, apontam claramente como a sua religiosidade em uma igreja que o condenava ao inferno e a falta de apoio da família foram cruciais em sua decisão de acabar com a própria vida. Mais uma história que ainda hoje se repete.

Em entrevista recente, a mãe de Bobby, Mary Griffith, afirmou que o irmão só contou que Bobby era gay depois que ele tentou se matar e que ele já sabia do fato há mais de 2 anos. Ela contou ainda que só percebeu que o filho não escolheu ser gay quando ele morreu e depois de se informar, algo que lamenta não ter feito antes. Para os pais, ela dá um recado: “Eu falei com muitos pais nesses anos. E eu acho que eu só poderia dizer a eles para que ouçam seus filhos e não tentem fazer prevalecer suas opiniões sobre as deles”. A história virou o livro "Prayers for Bobby: A Mother's Coming to Terms with the Suicide of Her Gay Son", em 1995, com diversas passagens do diário de Bobby. O filme foi lançado em DVD, nos EUA, em 2010 e recebeu diversos prêmios.

Os pais de Bobby ainda vivem em Walnut Creek. Mary ainda participa eventualmente da PFLAG - Pais, Família e Amigos de Lésbicas e Gays, associação que aparece no filme. Abaixo, leia o depoimento feito por Mary Griffith em uma reunião do conselho o condado sobre a celebração de um dia para a liberdade gay, 8 meses após a morte de seu filho, em que ela defende a comunidade gay pela primeira vez. A passagem foi transformada em um dos momentos mais comoventes do filme:

“Homossexualidade é um pecado. Homossexuais estão condenados a passar a eternidade no inferno. Se quisessem mudar, poderiam ser curados de seus hábitos malignos. Se desviassem da tentação, poderiam ser normais de novo. Se eles ao menos tentassem e tentassem de novo em caso de falha. Isso foi o que eu disse ao meu filho, Bobby, quando descobri que ele era gay.

Quando ele me disse que era homossexual, meu mundo caiu. Eu fiz tudo que pude para curá-lo de sua doença. Há oito meses, meu filho pulou de uma ponte e se matou. Eu me arrependo amargamente de minha falta de conhecimento sobre gays e lésbicas. Percebo que tudo o que me ensinaram e disseram era odioso e desumano. Se eu tivesse investigado além do que me disseram, se eu tivesse simplesmente ouvido meu filho quando ele abriu o coração para mim... eu não estaria aqui hoje, com vocês, plenamente arrependida.

Eu acredito que Deus foi presenteado com o espírito gentil e amável do Bobby. Perante Deus, gentileza e amor é tudo. Eu não sabia que, cada vez que eu repetia condenação eterna aos gays... cada vez que eu me referia ao Bobby como doente e pervertido e perigoso às nossas crianças... sua auto-estima e seu valor próprio estavam sendo destruídos. E finalmente seu espírito se quebrou alem de qualquer conserto. Não era desejo de Deus que o Bobby debruçasse sobre o corrimão de um viaduto e pulasse diretamente no caminho de um caminhão de dezoito rodas que o matou instantaneamente. A morte do Bobby foi resultado direto da ignorância e do medo de seus pais quanto à palavra “gay”.

Ele queria ser escritor. Suas esperanças e seus sonhos não deveriam ser tomados dele, mas se foram. Há crianças como Bobby presentes nas suas reuniões. Sem que vocês saibam, elas estarão ouvindo enquanto vocês ecoam ‘amém’. E isso logo silenciará as preces delas. Suas preces para Deus por entendimento e aceitação e pelo amor de vocês. Mas o seu ódio e medo e ignorância da palavra ‘gay’ silenciarão essas preces. Então... Antes de ecoar ‘Amém’ na sua casa e no lugar de adoração, pensem. Pensem e lembrem-se. Uma criança está ouvindo.” (Mary Griffith)



Se quiser assistir ao Filme no Youtube: Orações Para Bobby